O lixo de luxo de Lula e a falta de pudor no poder


O escândalo da Petrobras foi o maior esquema de corrupção do planeta. Não há registro de Governos que tenham utilizado a corrupção de forma tão sofisticada e aprimorada para se manter no poder.  É só fazer a conversão em dólar para se ter a dimensão do saque planetário. Tudo isso na gestão do Partido dos Trabalhadores, que inicialmente justificava o “roubo” como necessário para se manter no poder e financiar campanhas.  

Algo parecido com os grupos terroristas e que roubavam bancos, os cofres do Ademar de Barros ou sequestravam embaixadores para conseguir recursos para financiar a luta contra a ditadura.
Só que o dinheiro corrompe. O primeiro governo de Lula foi o paraíso para as empreiteiras, chamadas para financiar o projeto de poder dos trabalhadores. Muito lindo superfaturar obras para irrigar fundo de campanha, com marqueteiros pagos com caixa 2 ou remessas ao exterior.

Quer conhecer o caráter de um homem? É só lhe dar poder.  A frase poderia ser dita: Quer conhecer um partido é só lhe dar um governo. O que ocorreu no cenário nacional com o PT não foi um fato isolado. É só olhar o nordeste e especialmente a Bahia, polo das compras superfaturadas pelo Consórcio Nordeste, formado por nove governadores de oposição e compras de respiradores fantasmas. A primeira, de R$48 milhões não deu certo e o dinheirama sumiu.  Implodiu uma máquina que iria roubar milhões e milhões em nome da pandemia e com personagens como Carlos Gabas, Edinho Silva ou Rui Costa.  

O Governo de Jair Bolsonaro assumiu e chega ao fim sem que nenhum escândalo tenha ocorrido. Estamos aprendendo a conviver com governos honestos. A diferença entre Bolsonaro e Lula está no lixo domiciliar que produzem. As garrafas de vinhos milionárias vazias, cartão de empresário junto com mensagens de boa sorte. Este é o histórico do operário que foi seduzido por vinhos de R$10 mil reais, charutos cubanos de R$1 mil e jatinhos. Isto é café pequeno para os contratos milionários de refinarias não entregues, refinarias sucateadas compradas no exterior, contratos superfaturados de navios e milhões de reais tirados do povo para financiar organizações sociais que invadiam propriedades públicas com a verbas que recebiam com ONGs.


O aparelhamento dos livros didáticos, do ensino e os mantras que transformam Che Guevara em herói,  Fidel Castro em gênio político e Hugo Chaves como exemplo a ser seguido. O nosso maior antídoto é a lembrança. Não podemos nos esquecer dos saques, mesmo que alguns Ministros do STF, nos queiram censurar. Ladrão no Planalto jamais!

Brasil

Mais Artigos

Magnavita

Mais Artigos

Rio de Janeiro

Mais Artigos

Economia

Mais Artigos

Cultura

Mais Artigos

Saúde

Mais Artigos

Correio Expresso

Mais Artigos