Pin It

Por Affonso Nunes

Era uma vez um restaurante italiano, de inspiração mediterrânea, no coração da Lapa, que se repaginou para ganhar naturalidade brasileira. Localizado num casarão de dois andares tombado na Rua do Lavradio, o Momus virou seu cardápio de cabeça para baixo para oferecer os sabores da nossa terra, do Rio à Amazônia, sem deixar nenhuma região de lado. Mas com um toque de provocação: alguns ingredientes tidos como ‘malditos’ ou politicamente incorretos como o coração de galinha ganham uma releitura tenra e saborosa sob os cuidados de chef Nahuel Villegas. 

A iguaria típica dos churrascos, cercada de polêmica, surpreende não apenas no sabor como em sua própria apresentação que acaba parecendo uma porção de azeitonas pretas em conserva. A porção sai por R$ 35.

-Tudo é uma questão de manuseio. Retiramos a parte superior dos corações, que são marinados na manteiga de ervas e servido com pão e lâminas de alho crocante. Ficam parecidos com azeitonas pretas ou alcaparras gigantes. A novidade já tem feito junto aos clientes – orgulha-se o chef de 33 anos.

E a viagem pelo Brasil e seus sabores tem uma razão de ser, na visão do chef.

- A casa mudou de donos e os sócios chegaram à conclusão de que os nossos clientes – em boa parte turistas estrangeiros – não estava interessada na culinária italiana que pode ser provada em qualquer parte do mundo. Daí nossa opção em criar pratos que representassem todas as regiões do Brasil - explica.

E assim a pupunha, os camarões, a linguiça, a rabada e a carne seca foram recebendo novas leituras. Há, por exemplo, um risoto de moqueca de camarão servido com chips de banana da terra (R$ 52).

- Os camarões são salteados e finalizados com leite de coco, azeite de dendê e os chips de banana – anuncia Nahuel, que ainda tem outro risoto no menu: o de rabada com agrião (R$ 44) no qual a rabada desfiada é cozida em fogo lento e servida com agrião fresco.

O carioquíssimo picadinho de carne é servido com ovo pochê, arroz branco, farofa e alho e couve (R$ 52) e o peixe do dia (R$ 56) é preparado no vapor como sal grosso e azeite extra virgem, sendo servido ao vapor tendo como acompanhamento purê de banana da terra e molho cítrico de tomatinhos assados e gengibre.

E, entre os petiscos, o chef soltou seu lado lúdico e criou em cima de ingredientes bem clássicos da cozinha brasileira, como é o caso da porção de pasteis de rabada, com a carne cozida lentamente, tornando-se supermacia (R$ 32). As sardinhas fritas – aí uma herança portuguesa – chegam à mesa empanadas no fubá acompanhadas por molho tártaro (R$ 14). Os tradicionais pães de queijo mineiros são servidos com linguiça artesanal (R$ 39). A massa do pão de queijo não emborracha e vem bastante aerada.

- O segredo é ter a massa sempre fresca. Uma massa de pão de queijo congelado acaba se comprimindo durante o processo de resfriamento, inibindo sua fermentação – revela Nahuel.

O banquete verde e amarelo continua nas sobremesas com o pudim de leite com calda de cumaru (R$ 22), no sorvete de queijo com calda de goiabada com manjericão e crocante de parmesão (R$ 29), nos pastéis de banana com sorvete de canela (R$ 29), entre outras.

A casa ainda oferece uma carta de vinhos descomplicada e acessível, com destaque para os bons rótulos da Vinícola Fazenda Santa Rita, da região de Campos de Cima da Serra (RS), algumas opções (poucas) de cerveja artesanais e drinques variados. Um que vale experimentar é o Momus Mule, releitura do tradicional Moscow Mule com manga, servido com creme da fruta numa charmosa caneca de ágata (R$ 25).

A decoração do lugar também é saboreável. Por trás do balcão do bar, uma imponente estante em madeira se destaca. Trata-se de um mobiliário da primeira loja da rede Lidador aberta no Rio, a unidade da Rua da Assembleia, fechada há alguns anos. O lustre principal é uma obra de arte feita por um escultor italiano a partir de sobras de corte retorcidas, nas cores branca e vermelha, do acrílico de uma fábrica de automóveis.

- São restos do acrílico usado para montar as máscaras dos jogos de farol – explica Nahuel. No segundo piso, luminárias cobertas com páginas de livros antigos adquiridos em sebos amenizam a luminosidade do salão relaxando quem está se preparando para seguir noite adentro na boêmia da Lapa.

Serviço

MOMUS Rua do Lavradio 11 – Centro

Segundas, das 11h30 às 17h; Terças e quartas, das 11h30 às 0h; quinta a sábado, das 11h30 às 2h.