Embaixada dos EUA cobra posicionamento de Bolsonaro sobre guerra na Ucrânia

Por: Constança Rezende

O encarregado de negócios da embaixada dos Estados Unidos, Douglas Koneff, disse nesta quinta (24) que a voz do Brasil em relação à guerra da Rússia contra a Ucrânia "importa muito" e que espera que o governo brasileiro se posicione.

O diplomata citou o fato de o Brasil ter assento no Conselho de Segurança das Nações Unidas e afirmou que falas que condenam as ações russas ajudam a diminuir a crise no Leste Europeu.

As declarações foram feitas após Koneff ser indagado sobre o silêncio do presidente Jair Bolsonaro (PL) em relação ao assunto. Em sua primeira e única manifestação até o momento sobre a invasão, o mandatário disse apenas estar "totalmente empenhado" em proteger brasileiros na região.

"Para buscar qualquer posicionamento do presidente [Bolsonaro], teria que procurar o Planalto, mas as falas que condenam as ações russas que violam as leis ajudam muito a diminuir essa crise", disse Koneff, que substitui o embaixador dos EUA no Brasil no momento. Ele acrescentou que o alívio do conflito se dará com a retirada das tropas da Rússia e o fim de qualquer agressão ao território ucraniano.

"Os governos e indivíduos estão se posicionando a todo o momento, e esperamos qualquer posicionamento que condene as ações russas", seguiu o diplomata, falando sobre o Brasil.

Koneff disse ainda que o Brasil é importante também por ser parte das conversas que aconteceram em Nova York sobre o conflito e em outros lugares para tentar resolver o problema. "Qualquer fala que condene as ações russas sobre essas violações às leis internacionais é algo muito importante, que qualquer país pode fazer", afirmou.

O embaixador disse ainda que estamos vivendo a maior invasão de um país europeu a outro desde a Segunda Guerra Mundial e que os Estados Unidos e aliados estão trabalhando com fortes sanções contra a Rússia.