Em campanha salarial, metroviários de SP ameaçam parar nesta quarta (12)

Aline Mazzo (Folhapress)

Os metroviários de São Paulo ameaçam entrar em greve na próxima quarta-feira (12). A decisão foi tomada na manhã desta segunda-feira (10), segundo a categoria, após o Metrô sinalizar que não atenderia a reinvindicação de reajuste salarial.

A paralisação será decidida em uma assembleia virtual às 18h desta terça-feira (11). Antes disso, os metroviários farão um protesto às 10h, em frente ao Centro de Controle Operacional do Metrô, na Liberdade (região central de SP). Também está marcada uma audiência de mediação no Tribunal Regional do Trabalho, às 14h.

Caso haja a paralisação, ela afetará as linhas 1-azul, 2-verde, 3-vermelha e 15-prata, que estão sob gestão do governo do estado e cujos trabalhadores estão sem acordo coletivo desde 30 de abril.

A categoria afirma que está há dois anos com os salários congelados e que parte dos trabalhadores não recebeu parcelas referentes a participação nos resultados da empresa referente aos anos de 2019 e 2020.

"Nós estamos pedindo a reposição da inflação desses dois anos, inclusive nos benefícios, e que nenhum dos nossos direitos seja retirado. A nossa categoria trabalhou sem parar na pandemia, com os funcionários sobrecarregados, já que parte dos trabalhadores que pertecencia ao grupo de risco foi afastada. Estamos trabalhando com menos 20% dos funcionários", diz Wagner Fajardo, coordenador do Sindicato dos Metroviários.

Segundo a categoria, além de não aceitar o pedido de reposição da inflação, o Metrô teria proposto redução do adicional noturno de 50% para 30%, redução do adicional de férias de 70% para 40%, além de congelar pagamento de adicional por tempo de serviço (1% ao ano após o quinto ano na empresa).

Em abril, os metroviários chegaram a aprovar uma "greve sanitária" reivindicando a inclusão da categoria no grupo prioritário de vacinação contra a Covid-19. A pressão funcionou e o governador João Doria (PSDB) anunciou a imunizações dos trabalhadores do transporte para este mês. Os metroviários começam a receber as doses nesta terça-feira (11).

Em julho de 2020, os metroviários chegaram a decretar greve, mas a paralisação foi suspensa ainda de madrugada, quando o governo do estado decidiu aceitar as reivindicações da categoria. Mesmo assim, o embarque de passageiros chegou ser prejudicado nas primeiras horas do dia e só foi normalizado no meio da manhã, quando todos os funcionários retomaram o trabalho.