Coluna Magnavita: Semana do Palácio Guanabara encerra com reunião do PIB empresarial do Rio

Empresários elogiam clima de pacificação com o Governo Federal e o legislativo estadual

Por Cláudio Magnavita*

Apenas 24 horas depois de receber um afago do presidente Jair Bolsonaro no Rio, o governador Cláudio Castro contou com o carinho do peso pesado empresarial carioca. Na sexta, 25 de setembro, foi realizada solenidade para sancionar a lei que estabelece uma política competitiva para o setor atacadista do Rio, que vinha perdendo terreno para outros estados, especialmente Espírito Santo e Santa Catarina.

Antes do evento, o governador recebeu algumas lideranças empresariais no seu gabinete. O ambiente era de cordialidade e de entusiasmo com a nova fase do Estado e o alinhamento com o Governo Federal. Todos os empresários presentes ressaltaram como fundamental este clima de entendimento.

O presidente da Associação de Supermercados (Asserj), Fabio Queiroz, era o mais descontraído. Flamenguista como o governador (aliás a palavra e o status “em exercício” foram abolidos no encontro), ele fez todos sorrirem quando falou de futebol. Fabio Queiroz destacou, de maneira séria, a boa relação da Alerj com o governo como fator para restaurar a confiança do empresariado.

O setor de supermercados aplaudiu a medida de incentivar os atacadistas, aumentando as vantagens competitivas na logística, podendo gerar redução dos preços não apenas dos produtos alimentícios.

Jailson Barcelos , presidente da Associação de Distribuidores (Aderj), um dos autores do movimento que criou o RioLog, também destacou o reflexo no aumento de arrecadação para os cofres do Estado, com o maior volume de negócios que será gerado pela nova lei. Barcelos lembrou que o Rio vinha perdendo muitos negócios para o Espírito Santo.

A Assembleia Legislativa esteve presente na solenidade com os deputados Marcio Pacheco, representando o presidente André Ceciliano, Bruno Dauaire, Val da Ceasa e Rosenverg Reis (que quer a instalação de uma central de abastecimento em Caxias). A atuação da Alerj foi elogiada pelos oradores, já que o ato era para sancionar uma lei que nasceu no Legislativo.

Em discurso, Cláudio Castro revelou a sua grande meta: gerar novos empregos. Afirmou que o Estado vai priorizar a geração de empregos e medidas que facilitem a atividade empresarial, como a RioLog, que terá efeito imediato. Conclamou os empresários a confiarem e aumentarem seus investimentos no Estado.

O presidente da Fecormércio, Antonio Florêncio de Queiróz, recebeu uma atenção especial do governador. Eles foram juntos do gabinete até o salão de inverno. Na sua fala, ele destacou também o clima favorável de confiança que o Rio começa a viver e a agenda positiva do relacionamento com o governo federal e o legislativo estadual .

Depois de uma semana tensa, a agenda positiva começa a tomar conta do Palácio Guanabara. O aval da classe empresarial às medidas do novo governo serviram para descontrair ainda mais o ambiente.

Os empresários elogiaram os nomes que estão sendo anunciados para nova equipe e tiveram a oportunidade de conversar com o novo secretário da Casa Civil, Nicola Moreira Miccione, que, por ser oriundo do mercado financeiro, já conhecia alguns dos presentes e manteve um diálogo dentro de um tom que agradou os dirigentes.

Quem ganhou ponto foi o secretário Guilherme Mercês, que apresentou um estudo apontando a elevação de receita a partir do aumento de competitividade do setor de distribuição e atacadista no Rio. Aa decisão do governador de sancionar o projeto se apoiou nesse estudo.

*Claudio Magnavita é diretor de redação do Correio da Manhã

Coluna Magnavita

Coluna Magnavita

Coluna Magnavita