Coluna Magnavita: Como um grande evento fica pequenininho

Por Cláudio Magnavita*

O evento do Copacabana Palace idealizado pela Scala Eventos e a Associação de Supermercados (Asserj), além da lotação, foi um festival de erros. O que compensou foi a emoção de Fabinho Queiroz como apresentador. Ele lavou a alma depois do sucesso do setor de supermercados durante a pandemia. Enfim, todos foram benevolentes.


Para efeito didático foi feita uma listinha de erros da noite:

1. Uma cerimônia com 17 oradores, 18 com o apresentador, que durou 2 horas. Quase nada do que foi dito será lembrado.

2. O jantar foi servido depois das 23h30 – frio. O horário previsto era 22h. (Com o atraso, não há estufa que resista). Quase virou ceia natalina.

3. Muita gente não aguentou e saiu antes. Metade das mesas ficou vazia na hora do jantar. Muitos saíram com fome.

4. Segregar as autoridades em uma sala VIP e não deixar que circulassem entre os convidados (todos super-selecionados) tirou a chance da convivência prometida, principalmente dos dirigentes de supermercados.

5. Ao ocupar 1/3 do Golden Room com mesas (da 19 a 30), a parte para auditório ficou reduzida. O ar-condicionado estava fraco e muita gente suou muito, principalmente quem estava no palco.

Coluna Magnavita

6. O objetivo da retomada do varejo se perdeu pelo tamanho da solenidade e informalidade, que afetou a liturgia dos cargos. O diminutivo no tratamento, que causou estranheza, acabou sendo perdoado e deu o tom da descontração: Claudinho, Fabinho, Flavinho... Ninguém, porém, se atreveu a chamar o presidente da Alerj, André Ceciliano, de Andrezinho. Aí seria demais.

7. Os cuidados com os protocolos de segurança deixaram a equipe do Copa de cabelo em pé. Principalmente com as mesas do Golden Room, ocupadas pela plateia e não pelos comensais para as quais estavam destinadas. Talheres, pratos, copos foram manipulados por terceiros, o que contraria os protocolos de segurança. O erro foi do cerimonial e não do hotel, por permitir a invasão.

8. A plateia do Golden ficou inacreditavelmente próxima, sem falar das 17 autoridades no palco, sem o distanciamento que tem sido usado por segurança em programas de TV, debates e solenidades. A sorte é que boa parte já havia testado positivo para a Covid. A lista do palco era muito maior do que a lista da brochura e ainda teve cadeiras de extras no palco.

9. Deselegante foi um dos organizadores em pleno salão do coquetel de boas vindas abduzindo alguns convidados para a tal sala VIP na vista de outros e no meio de conversas. Quem sobrava não entendia nada.

10. Um objetivo maior foi atingido: as verbas de publicidade destinadas a outros eventos e transferidas para este foram honradas, especialmente do patrocinador mor da cidade, a Fecomércio. Aliás, Antônio Queiroz merecia mais do que 2’30” para discursar, pelo valor que aportou.

 

Coluna Magnavita

Como já dito, foi uma festa certa na hora errada, com um número excessivo de discursos e uma plateia enorme. Cansativo para uma segunda. O Belmond Copacabana Palace não pode ser responsabilizado pelos atropelamentos. Ele tentou seguir os protocolos de segurança.
Há algum tempo, a Asserj fez uma festa na Ilha Fiscal que foi um fiasco. A associação prometeu corrigir e agora, com o apoio da Scala Eventos, comete erros ainda maiores.
As TVs reclamam das baladas em plena pandemia. Quem foi, saiu assustado e torcendo para que não ocorram as mesmas sequelas da posse do Fux, ou daquele evento inicial do Rio de Janeiro Country Clube. É um caso para ser lembrado do que não se deve fazer em uma pandemia, expondo os convidados e o próprio hotel a um festival de erros de organização.

*Claudio Magnavita é diretor de redação do Correio da Manhã