Coluna Magnavita: O preposto do Mandetta

A Anvisa deveria ser uma agência de Estado e os seus diretores deveriam evitar a politização dos seus cargos. O que ocorreu no domingo, 17 de janeiro, foi vergonhoso: o diretor Alex Campos resolveu invocar o nome do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta no seu voto. Revelou o seu DNA político e de visível oposição ao Planalto. Faz parte do time “o quanto pior melhor”.

A atitude de Campos deveria ser analisada pela quebra de ética. Aliás, o ex-ministro não explicou ainda as suas relações com Iabas, Edmar Torres e como o seu genro, mesmo sendo dono de uma empresa individual, foi empregado do Governo Witzel.