Pin It

Por José Aparecido Miguel*

1) O melhor do Brasil é o brasileiro, ou é o brasileiro que prejudica o desenvolvimento do Brasil? A questão é outra, a meu ver: a diferença educacional dos países mais desenvolvidos, opina Merval Pereira. Os especialistas lembram que as escolas do Brasil são historicamente deficientes.

Em 1850, 90% da população dos EUA estava alfabetizada, e no Brasil, naquele ano, tínhamos 90% de analfabetos. O Chile, em 30 anos, aumentou a produtividade graças à educação, Malásia e China vão na mesma direção. O ministro do Supremo Tribunal Federal, Luis Roberto Barroso, considera que a educação é dos principais itens de uma “verdadeira agenda patriótica”. Segundo Barroso, documentos do Banco Mundial e pesquisadores reconhecidos internacionalmente atestam que o principal investimento a ser feito em Educação Básica é “a partir das primeiras semanas de vida da criança.

Nessa fase, o cérebro é uma esponja que absorve todas as informações que lhe são transmitidas”. Pesquisas indicam que as boas creches contribuem de maneira significativa para o desenvolvimento do potencial das crianças. Como se vê, não é preciso mudar o povo para transformar o Brasil em potência mundial. (...) (O Globo)

2) Empresários aprovam gestão do semianalfabeto Abraham Weintraub no Ministério da Educação. Da Folha: Mercado e empresariado não se manifestam publicamente para expressar apoio à gestão de Abraham Weintraub no Ministério da Educação, mas nos bastidores existe a avaliação de que a pasta está em boas mãos, a despeito do fracasso do Enem e da ortografia do titular.

Na opinião de um empresário com trânsito no governo, Weintraub é considerado um perfil de pulso firme para promover a reforma ideológica na educação, tão desejada por setores da sociedade que apoiam Bolsonaro. Questionado sobre a capacitação do ministro para o cargo, ele relativiza o papel do MEC justificando que os sistemas estaduais e municipais ajudam nas funções prioritárias. (...) (Folha de S. Paulo DCM).

3) 5G é insanidade, escreve Hamilton Carvalho. 5G é a promessa do momento. Aumentará emissões de gases. Gerará demanda por energia elétrica. A promessa do momento é a tecnologia 5G de telefonia celular. Já não se fala mais na perspectiva de menos trabalho e mais lazer. O discurso agora é outro: teremos cidades inteligentes, carros autônomos, fábricas com robôs que conversam entre si, geladeiras que encomendam comida diretamente ao supermercado. Glorioso. Não existe almoço grátis. O 5G vai gerar uma forte demanda adicional por energia elétrica.

A segunda verdade inconveniente – e a mais importante – é o tsunami de dados que estamos encomendando com o 5G. Na medida em que bilhões de equipamentos e quinquilharias (como fraldas e escovas de dentes) passarem a embutir chips que conversam entre si, essa tagarelice precisará ser transmitida e processada à custa de muita energia elétrica adicional (fala-se em aumento de 1.000%). Com sorte, vamos perceber que virtualmente toda política pública ou privada, como o 5G, tem efeitos diretos no estrago que estamos fazendo no planeta. E que nem sempre dá para acreditar em promessas utópicas. (Poder360).

4) Agência da ONU alerta sobre temperatura recorde de 18ºC na Antártida. Organização Mundial de Meteorologia (OMM) diz que marca é superior ao registro de 2015, quando os termômetros marcaram 17.5ºC; novo recorde ocorreu na base argentina, Esperança, que fica no norte da Península Antártida. Segundo a OMM, o registro de mais de 18ºC ocorreu, na quinta-feira, na base militar de Esperanza, da Argentina, que serve como centro de pesquisa. Com a notícia, aumentou a onda de receios sobre a aceleração do derretimento das camadas de gelo e da subida do nível do mar. A porta-voz da OMM, Clare Nullis, afirmou que o recorde registrado no norte do continente seria considerado raro até mesmo para os meses mais quentes do ano. (...) (ONU News).

5) Como as novas gerações consomem notícias Estudo global da Comscore mostra que os mais jovens estão se informando pelas redes sociais e não querem pagar para acessar conteúdo. A pesquisa também apontou que a maior parte dos jovens da geração Z (66%) tende a ler as notícias de forma rápida e superficial. (...) (Meio & Mensagem)

6) Brasileiro relata rotina de medo e agonia em navio com 64 infectados pelo coronavírus. Tripulante do navio, Thiago Soares foi deslocado do shopping da embarcação para a vigilância dos corredores a fim de impedir as pessoas de saírem das cabines, escreve Lívia Neder. Thiago Campos Soares, vendedor de 33 anos, embarcou no cruzeiro Diamond Princess no dia 1º — e não tem noção de quando poderá voltar à terra firme. (...) (O Globo)

* José Aparecido Miguel, jornalista, diretor da Mais Comunicação-SP (http://www. maiscom.com), trabalhou em todos os grandes jornais brasileiro - e em todas as mídias. Foi editor-executivo do Jornal do Brasil, no Rio, de 2007 a 2009.