Pin It

Por FolhaPress

A Academia voltou a ser criticada pela ausência de mulheres indicadas ao prêmio de melhor diretor, e a falta de nomes negros, como a elogiada Lupita Nyong'o, também incomodou muitos fãs de cinema. O renomado autor Stephen King polemizou ao mostrar um ponto de vista diferente hoje.

"Como um escritor, eu posso ser indicado em apenas três categorias: melhor filme, roteiro adaptado, e roteiro original. Para mim, o problema da diversidade -da forma que se aplica aos atores e diretores individualmente- não surgiu. Dito isto, eu nunca consideraria a diversidade quando o assunto é arte. Somente a qualidade. Para mim, fazer o contrário é errado", escreveu.

A publicação feita por King no Twitter provocou mais de 7.000 respostas, dentre mensagens de apoio, críticas ou questionamento. Uma fã escreveu: "Com todo respeito, eu acho que isso é injusto. Quando filmes criados por pessoas de cor são constantemente ignorados por instituições que são predominantemente formadas por homens brancos, há uma parcialidade explícita."

Uma das críticas veio de Ava DuVernay, diretora de "Olhos que Condenam", que tuitou que ver alguém que ela admira escrever algo "tão atrasado e ignorante faz você querer voltar para a cama".

Três horas depois de seus tuítes originais, Stephen King suavizou seu posicionamento e deu razão a alguns dos argumentos levantados pelos críticos. "A coisa mais importante que podemos fazer como artistas e pessoas criativas é garantir que todos tenham as mesmas chances, independentemente de sexo, cor ou orientação sexual", escreveu o autor.
"Neste momento, estas pessoas estão muito mal representadas, e não apenas nas artes. Ninguém consegue ganhar prêmios se estiver excluído do jogo", completou Stephen King.