Cadê o MP?

Cadê o MP?

Por Cláudio Magnavita*

O Correio da Manhã tem desnudado a teia de conexões da Refit, que transformou a Refinaria Manguinhos na maior negociata ligada a indústria do petróleo no Brasil. Hoje, apontamos, através do relatório trimestral da companhia, as digitais dessa figura mitológica e são jorgiana de Ricardo Andrade Magro na sangria do caixa da empresa e dos acionistas minoritários.

Aparecem no balanço o pagamento milionário de honorários de advocacia para a Magro Associados, que, somados, superam os valores da própria divida que levou a empresa a recuperação judicial. No balanço esta lá, com todas as cifras, o calote bilionário que é dado nos cofres do estado do Rio. São R$ 7.000.000.000,00 (sete bilhões de reais) que poderiam ser aplicado na saúde, segurança publica e educação.

 

Editorial

Editorial

Editorial

Esse dinheiro está preso em uma teia que envolve a Yeld S.A., uma companhia que concentra o faturamento para fugir dos bloqueios judiciais e driblar a justiça. É só ler o balanço e seguir o dinheiro. O sócio majoritário cobra fortunas para defender a empresa do pai, do qual é o único herdeiro. Só que esta ganância criou o cordão umbilical que faltava, ligando o diretamente personagem são jorgiano com todo o esquema de Manguinhos.

*Cláudio Magnavita é diretor de redação do Correio da Manhã