Pin It

Por Gabriel Moses

A jornalista Marilene Dabus, primeira mulher a cobrir o futebol brasileiro, faleceu nesta sexta-feira (17) aos 80 anos, vítima de um câncer. Apelidada carinhosamente de "a moça do Flamengo", Marilene marcou o jornalismo brasileiro em 1969, quando participou de um programa esportivo na extinta TV Tupi. Em meio a um mercado machista, ela brilhou na carreira.

Entre vários trabalhos, Marilene cobriu a seleção brasileira como repórter, na Copa do Mundo de 1970. Contudo, a carreira da jornalista no futebol ficou mais aparente com a aproximação ao Flamengo, onde integrou a "Frente Ampla Pelo Flamengo", e assumiu o cargo de vice-presidente de Comunicações do clube, sendo ela diretamente a responsável por planejar estratégias que visavam o crescimento da torcida na década de 80. 

Foi de Marilene a ideia de batizar o Centro de Treinamento do Flamengo de "Ninho do Urubu". Em homenagem, o Rubro-Negro batizou a sala de imprensa com seu nome. Com 58 anos de vida associativa ao clube, Marilene é considerada por diversos setoristas como uma das mais emblemáticas na função.

O Flamengo divulgou uma nota de pesar à jornalista, ressaltando sua importância para o departamento esportivo da instituição. Confira na íntegra:

 

O Clube de Regatas do Flamengo lamenta profundamente o falecimento de Marilene Dabus, primeira mulher repórter a cobrir futebol no Brasil e figura importantíssima na história do clube, chegando a exercer o cargo de vice-presidente de comunicação do Flamengo nos anos 80.

Ela foi pioneira neste departamento e no relacionamento com a imprensa. Emérita e sócia remida, Marilene tinha 58 anos de vida associativa. Nossos sentimentos aos amigos e familiares.

O CORREIO DA MANHÃ relembrou a trajetória de Marilene Dabus, e toda a sua contribuição para a imprensa esportiva.