Pin It

Por Luciana Coelho e Alexa Salomão/ FolhaPress

A sessão foi curta, mas disputada. Greta Thunberg, a adolescente sueca que se tornou a paladino do combate à mudança climática, falou ao lado de outros jovens em Davos, no encontro anual do Fórum Econômico Mundial nos Alpes Suíços, sobre a urgência de se conter e mitigar o aquecimento global.

Embora não fale ainda no palco principal, normalmente reservado a chefes de Estado e governo ou líderes globais que se tornaram referência pop em seus campos, Greta foi recebida neste ano como estrela do evento. No painel feito pelo Fórum para celebrar seus 50 anos, é Greta quem simboliza a edição de 2020.

A ativista falou ao lado de outros três jovens que têm se dedicado a chamar a atenção para problemas ambientais -a canadense Autumn Peltier, o porto-riquenho Salvador Gomes Colón e Natasha Mwansa, da Zâmbia-, e se recusou de desviar de sua mensagem central para o Fórum: de que é preciso parar de falar de aquecimento global com base em opiniões e se ater a fatos comprovados pela Ciência.

"Não sou eu que reclamo de não ser ouvida, estou sendo ouvida o tempo todo. Mas em geral a Ciência e a voz das pessoas mais jovens não estão no centro da conversa", disse ela ao ser instada pelo moderador a responder se o mundo estava ouvindo os mais jovens, como ela. 

"Trata-se de nós e das futuras gerações, e, claro, como podemos ser afetados hoje, mas sobretudo se trata de trazer a ciência para o centro da conversa."

A mais jovem do quarteto, Peltier exortou o público do fórum a desencorajar detratores online -os "haters". "Por favor, antes de nos dizer coisas horríveis nas redes sociais, pense que somos adolescentes e só estamos tentando fazer uma coisa boa".

Alvo frequente da turba virtual e também de críticas de líderes políticos menos comprometidos com sua causa, Greta preferiu usar seu tempo para ler uma mensagem previamente escrita, em vez de responder como lidava como os "haters". 

"Esses números [sobre emissões de gases-estufa e aquecimento] que estou citando não são a opinião de ninguém nem política, são o melhor que temos em ciência a esse respeito. Países ricos têm de zerar suas emissões e ajudar os pobres a fazerem-no."

A preservação do ambiente e sobretudo a ação humana no aquecimento global -bem como a ação necessária para mitigar seus efeitos- são o principal tema do Fórum neste ano. O tópico também surgiu no discurso de abertura do fundador da entidade e criador do encontro, Klaus Schwab, e nas palavras da presidente do conselho federal da Suíça, Simonetta Sommaruga. A líder de turno do principal órgão Executivo suíço falou de um mundo "pegando fogo", citando as recentes queimadas na Amazônia e os incêndios na Austrália, e ressaltou que o tempo para impedir uma deterioração do quadro se esgota.

Schwab, por sua vez, pediu mais cooperação internacional, porque a tarefa exige mais de um só país ou uma só empresa lidando com o problema. 

"O mundo está em estado de emergência. Não queremos continuar a desintegração política e econômica contínua. Não queremos chegar a um ponto irreversível na mudança climática. Não queremos que as próximas gerações estejam em um mundo ainda menos habitável", afirmou ao inaugurar o evento.

Diversas das sessões do fórum são dedicadas a negócios mais verdes e à participação das empresas para que se cumpra o que está no Acordo de Paris sobre o Clima -a manutenção do aquecimento do planeta em no máximo 1,5°C neste século.

O Brasil é alvo de algumas. No entanto, o presidente Jair Bolsonaro neste ano não compareceu ao evento nem mandou seu ministro do Ambiente, Ricardo Salles. Quem acompanha a delegação encabeçada pelos ministros Paulo Guedes (Economia) e Luiz Henrique Mandetta (Saúde) para tratar do assunto é o cientista Carlos Nobre, que estuda clima e já integrou o principal painel da ONU para o tema.