Inglaterra deixa de exigir máscaras, libera aglomerações e retira restrições contra Covid

O uso de máscaras na Inglaterra deixará de ser obrigatório, exceto em instalações médicas, anunciou o premiê Boris Johnson. A medida valerá a partir de 19 de julho, data em que praticamente todas as restrições sociais em vigor para conter a pandemia serão encerradas, embora o Reino Unido enfrente uma alta no número de casos de Covid-19. No entanto, barreiras para entrada e saída de viajantes do país seguem em vigor.

Na prática, o governo retirará todas as restrições legais ao comportamento dos cidadãos, e passa a recomendar que cada pessoa decida como lidar com os riscos. "Devo frisar que a pandemia não acabou e que os casos continuarão subindo nas próximas semanas. Conforme começamos a aprender a viver com o vírus, devemos todos continuarmos a gerenciar cuidadosamente os riscos da Covid", afirmou o premiê.

Assim, o uso da proteção facial passará a ser recomendado, e não mais exigido. Não haverá mais restrição a aglomerações em espaços públicos ou privados. Empresas não serão mais obrigadas a manter parte das equipes em trabalho remoto. Uma pessoa vacinada que tenha contato com alguém contaminado não precisará mais fazer isolamento obrigatório. Também deixa de ser necessário escanear QR Codes ao frequentar restaurantes e pubs, que eram usados para rastrear possíveis contágios.

Pessoas plenamente vacinadas poderão viajar para os países que estão na lista âmbar sem precisar fazer quarentena ao retornar. O Brasil e toda a América do Sul estão na lista vermelha e seguem restritos.

As mudanças anunciadas por Boris valerão apenas para a Inglaterra. As outras partes do Reino Unido, como Escócia e Irlanda do Norte, decidem as medidas de forma separada.

O Reino Unido é o sétimo país com mais mortes pela Covid no mundo, com 128 mil óbitos, em uma população de 66 milhões. No começo da pandemia, Boris demorou a adotar medidas de restrição. Ele mesmo acabou pegando a doença e ficou internado na UTI, em abril de 2020. Ele se recuperou e deixou de lado o negacionismo.