Ataques a Lava Jato ameaçam a saúde da democracia

Por Juliana Benicio*

A nossa proposta é clara. Apoiar a Lava Jato, não dar trégua à corrupção em todos os níveis. O projeto anticorrupção apresentado na Câmara pelos deputados Paulo Ganime e Adriana Ventura, do Novo, merece aplausos e apoio de toda a sociedade civil.

Sei que nossas ideias incomodam porque queremos uma mudança real na forma de sede fazer política no Brasil, e estamos mostrando na prática. Não são figuras de linguagem. Pregamos o fim das coligações entre partidos, do toma lá da cá, do foro privilegiado, a imunidade parlamentar e outras deformações gritantes de desiguais que visam interesses pessoais em detrimento do Brasil

O nosso partido devolveu o dinheiro do fundo partidário para o Tesouro Nacional por discordar desses privilégios. O eleitor está cansado de abrir os jornais, entrar em sites, assistir na TV diariamente escândalos em cima de escândalos. O chamado pacote anticorrupção está entre as medidas que com certeza vão ajudar a sanear o ambiente político.

Sou candidata à prefeitura de Niterói, mas não leio nem ouço referência a isso. Por quê? Porque a direita no Brasil é estigmatizada pela desinformação. É confundida e criminalizada por causa de esqueletos que vivem nos armários da história.

O pacote anticorrupção reúne nove projetos de lei para aprimorar e aprofundar o combate à corrupção. Essa nova etapa de sanitização que está sendo feita pela Lava Jato e outras operações similares, mostram que o combate a roubalheira deve ser sistemático e preventivo. 

Concordo totalmente com a deputada Adriana Ventura que condenou veementemente os ataques que a Operação Lava Jato vem sofrendo. É inacreditável que neste momento, quando a falta de honestidade e da ética volta a revoltar os brasileiros, queiram acabar com a Lava Jato. Daqui a pouco vão achar corriqueiro ser preso por desvio de dinheiro público ou, pior, podem pensar que ser ex-presidiário dá status político.

Os políticos tem o dever de defender a Lava Jato e outras medidas de combate a corrupção. Quem não deve, não teme e a princípio acho estranho agentes públicos que condenam medidas saneadoras como a Lava Jato. O que eles querem com isso, o ´liberou geral?

É melhor ver quem é quem antes, e se forem comprovados os delitos punir agora porque depois de eleitos só com o desgastante e paralisante processo de impeachment.

Uma outra questão que entrou na agenda política são as pessoas totalmente desconhecidas que foram eleitas em 2018, se auto definindo como outsiders. São pessoas que se aproveitaram de um momento de profunda desilusão e indignação do eleitor, traído pela roubalheira que a Lava Jato trouxe à tona, e se travestiram de outsiders, novatos na política.

Eles roubaram e usaram criminosamente o discurso da saudável nova política, deram uma rasteira no eleitorado. Espero que os eleitores pesquisem bem antes de votar nas próximas eleições. As referências, todas elas, estão na internet. Aliás, peço, por favor, que pesquisem exaustivamente o meu nome.

*Doutora em engenheira de produção e mestre em economia