Arte e saúde mental

Por Isys de Sousa Lopes*

Neste período que estamos atravesando, um verdadeiro bombardeio de informações online acabou por substituir a possibilidade de estar em contato com a arte, de maneira que fosse permitido extravazar vivênciando. Não há como haver aglomerações, idas a ambientes que promovem arte estão fechados, a catarse até então proporcionada pela possibilidade de sentir a arte de perto, não existe mais. Muitas perdas, o luto está presente direta ou indiretamente nos lares, o resultado disso é mais adoecimentos em relação ao que já acontecia.

A sociedade está ocupando outro espaço de conexão, agora tudo está online na tela e isso produz um esforço para reconectar com a emoção, é notório como o consumo da arte colabora consideravelmente para esse dasabafo. Quantas vezes você já se pegou surpreso, espantado, emocionado vendo um filme ou ouvindo música? É, meu caro, Esses são os efeitos da arte em você!

Enquanto psicoterapeuta e ainda na minha formação na Universidade Federal de Alagoas, a arte se mostrou um dispositivo potente de intervenção e descobertas, espaços para representar e refazer cenas da vida, dar vazão a subjetividade com descobertas importantes. Agora, no meu escritório no Rio de Janeiro, isso acontece no setting terapêutico online.

Esse método de trabalho online limita pessoas que não possuem acesso a meios de conexão e nem ambientes viáveis para possibilitar uma sessão de terapia online, o que inviabiliza de certa forma o processo, sendo um fator que restringe a promoção de saúde mental, me colocando a pensar que o próximo desafio enquanto terapêuta a ser explorado é tentar a possibilidade de dar acesso a todos. Os recursos online substituem o que antes não se pensava em fazer se não fosse presencial, a música ganhou um espaço especial nos meus atendimentos, pela possibilidade de ser algo que não precise necessariamente de recurso financeiro: a pessoa pode, por exemplo, cantar livremente e desta forma abre-se a possibilidade de desenvolver questões internas, alguns momentos também concretizando o trabalho manual da forma que é possível, acontecendo assim um processo de conhecimento interno e profundo de cada um, no seu ambiente privado e confortável para falar e sentir.

Nesta possibilidade incrível de promover espaço de trabalho com arte, deposito meu olhar atento na subjetividade humana.

*Psicóloga