Vendedor ambulante negro morre após ser baleado por PM de folga em Niterói

Por: Marcela Lemos

Um vendedor ambulante negro foi baleado e morreu na tarde desta segunda-feira (14) em frente à estação das barcas, no centro de Niterói, na região metropolitana do Rio. A vereadora de Niterói Benny Briolly (PSOL) identificou o rapaz como Iago Machado. Ela disse, em sua rede social, que o autor do disparo foi um policial militar de folga.

Por sua vez, a corporação diz que o policial interveio em suposta tentativa de roubo. "O militar tentou intervir na ação e um dos envolvidos teria investido contra sua integridade, sendo atingido por disparo de arma de fogo. O ferido não resistiu", informou a PM. Já um primo de Iago disse que o rapaz vendia balas quando foi acusado por um segundo homem, também não identificado, de roubar na região.

O Corpo de Bombeiros informou que foi acionado para a ocorrência por volta de 12h e constatou o óbito da vítima no local.

Em entrevista à TV Record, Jonathan César, primo de Iago, contou que o rapaz baleado estava abordando pessoas para vender balas quando um homem reagiu, dizendo que vendedores de bala roubavam na região.

Houve então uma discussão entre esse homem não identificado, o policial de folga e Iago, quando o PM interveio e atirou no rapaz, de acordo com a versão do primo. Jonathan César ainda disse que Iago foi baleado com um disparo.

"Saía [de casa] às 5h para poder consagrar todo dia seu dinheiro, para poder pagar um buffet de festa para uma filha. Era o sonho dele fazer uma festa para a filha dele de dois anos. Ia ser um festão. O menino estava convidando todo mundo", relatou Jonathan.

De acordo com a PM, o policial envolvido e uma suposta vítima de tentativa de roubo presta na tarde de hoje depoimento na Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí. "A 4ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM) já foi acionada e acompanha o caso", informou a PM.

Procurada, a Polícia Civil disse que "a Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSG) foi acionada e investiga o caso. Os agentes estão ouvindo testemunhas e buscarão imagens de câmeras de segurança instaladas na região para esclarecer todos os fatos".

O policiamento foi intensificado na região onde Iago foi morto. Manifestantes atearam fogo em colchões.