Pin It

por Guilherme Cosenza

Foi protocolado nesta terça-feira na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) um pedido de impeachment contra o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel. A iniciativa nasceu após as suspeitas de que o governador havia usado grampos ilegais para elaboração de um dossiê contra parlamentares da Casa Legislativa.

O líder do PSL na Alerj, Dr. Serginho, quem anunciou o pedido e disse que é preciso "investigação clara e rígida da intimidação do governo ao parlamento estadual". Ele também afirmou que o caso será denunciado à Polícia Federal e ao Ministério da Justiça. Toda a bancada bolsonarista do PSL apoiou a medida. São coautores do pedido de impeachment os deputados Alana Passos, Anderson Moraes, Fernando Salema, Renato Zaca, Filippe Poubel e Márcio Gualberto.

Porém, ontem em sessão extraordinária, a Comissão de Segurança Pública da Alerj convocou o Secretário de Desenvolvimento Econômico do Rio de Janeiro, Lucas Tristão para esclarecimentos.Ele é apontado pelos deputados como o articulador da elaboração de dossiês contra parlamentares. A crise envolvendo os supostos grampos ilegais contra parlamentares começou no dia 8 de fevereiro, quando o presidente da Alerj, André Ceciliano (PT-RJ), publicou no Diário Oficial do Estado um pedido formal de esclarecimentos de Witzel a respeito das escutas ilegais.

Segundo Ceciliano, Tristão teria afirmado abertamente estar de posse de dossiês: "vamos investigar o secretário Lucas Tristão, que disse que tem um dossiê contra os 70 deputados. Eu tenho testemunhas", afirmou o presidente da Alerj em plenário. Outro nome forte que acabou sendo incluído no processo é do presidente Jair Bolsonaro.

Como consta nos autos, os parlamentares acusam Witzel de ter acesso a diversas informações sensíveis e de fazer vazamentos sigilosos, entre eles a polêmica envolvendo o presidente no assassinato da vereadora Marielle. Na época um áudio vazado dizia que o os assassinos da vereadora haviam tido abertura do presidente para entrar em um condomínio na Barra da Tijuca.