Seis casas desabam no Rio após fortes chuvas que já deixaram cinco mortos no estado

Por Folhapress

Após as fortes chuvas que atingiram o estado do Rio de Janeiro desde sábado (29), seis casas desabaram na zona norte da capital fluminense. Não há informações sobre mortos ou feridos, segundo o Corpo de Bombeiros.

Os desmoronamentos ocorreram no começo da manhã desta terça (3), em sobrados geminados no bairro Jardim América, quase na divisa com o município de São João de Meriti. A corporação foi acionada às 6h52 e está no local com duas viaturas.

Também nesta terça foi encontrada a quinta vítima das chuvas no RJ. O corpo do jovem Mateus Souza Oliveira, 21, que estava desaparecido desde domingo (1º), foi achado por moradores na margem de um rio em Queimados (a 55 km da capital) por volta das 7h.

As buscas na área dos desmoronamentos continuam, mas os bombeiros trabalham com a hipótese de que não há vítimas, porque nenhum morador notificou sobre familiares desaparecidos até o momento.

Questionada se as casas já haviam sido interditadas e desocupadas, a assessoria de imprensa da Defesa Civil Municipal afirmou que ainda está apurando a informação e que técnicos do órgão estão no local. No total, a cidade teve 54 Interdições emergenciais nos últimos dias.

Eles então acionaram os bombeiros, que procuravam o rapaz nesta segunda com a ajuda de uma equipe de mergulhadores. A família já foi ao lugar e reconheceu a vítima. O jovem era auxiliar de pedreiro e foi surpreendido pela enxurrada do rio quando saiu de casa com um amigo, segundo o site G1.

Estágio de atenção

O município do Rio deixou o estado de alerta em que estava desde a 0h20 de domingo (o quarto nível numa escala de cinco) e retornou ao estágio de atenção às 8h45 desta terça, porque os acumulados de água diminuíram nas últimas horas e não há previsão de chuva forte para o resto do dia.

Esse nível, determinado pelo Centro de Operações da prefeitura carioca, significa que uma ou mais ocorrências impactam a cidade, afetando a rotina de parte da população. Nesta manhã o município atuava em 12 casos relacionados às chuvas, como bolsões de água e deslizamentos de terra.

A Cedae (companhia estatal de água e esgoto), que havia reduzido a 60% a captação de água no principal rio que abastece a região metropolitana do Rio desde a noite de domingo, informou que voltou a operar em sua capacidade total.

A Defesa Civil Municipal atendeu desde o início das chuvas 604 chamados, sendo os principais por desabamento de estrutura, ameaça de desabamento de estrutura, deslizamento de barreiras e encostas e imóveis com rachadura e infiltração. As regiões mais afetadas foram as zonas oeste e norte do Rio.
 
Recomendações da prefeitura do Rio:

- Não se desloque pelas regiões mais afetadas pela chuva
- Evite áreas sujeitas a alagamentos e/ou deslizamentos
- Não force a passagem de veículos em áreas aparentemente alagadas
- Em casos de ventos fortes e/ou chuvas com descargas elétricas, evite ficar próximo a árvores ou em áreas descampadas
- Em pontos de alagamento, evite contato direto com postes ou equipamentos que possam estar energizados
- Evite o contato com a água de alagamentos; a água pode estar contaminada e oferecer riscos à saúde
- Verifique se há sinais de rachaduras em sua residência; ao perceber trincas ou abalo na estrutura, acione a Defesa Civil pelo número 199 e evite ficar em casa
- Moradores de áreas de risco precisam ficar atentos aos alertas sonoros; caso as sirenes sejam acionadas, as pessoas devem se deslocar para os pontos de apoio estabelecidos pela Defesa Civil Municipal
- Se necessário, use os telefones de emergência 193 (Corpo de Bombeiros) e 199 (Defesa Civil)

Brasil

Mais Artigos

Magnavita

Mais Artigos

Triste é a situação da ex-juíza Glória Heloísa, que continua oficialmente como pré-candidata a prefeita pelo PSC. As pesquisas apontam serem remotas a fórmula de ex-juiz nas urnas resistir. O...

Depois da crise da  Cedae com a geosmina e dos escândalos dos hospitais de campanha, só falta o Metrô e a Supervia pararem, sob a responsabilidade do Governo do Estado do Rio.

Rio de Janeiro

Mais Artigos

Economia

Mais Artigos

Cultura

Mais Artigos

Saúde

Mais Artigos

Correio Expresso

Mais Artigos