MPF e MP suíço repatriam ao Brasil ouro e diamantes adquiridos em esquema de corrupção comandado por Sérgio Cabral

Já estão no Brasil 27 pedras de diamantes e 4,5 kg de ouro adquiridos com dinheiro ilegal do esquema de corrupção comandado pelo ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral. O material, que segundo peritos consultados, é avaliado em mais de R$ 20 milhões, estava na Suíça e foi recuperado a partir de uma operação do Ministério Público Federal (MPF), por meio da Secretária de Cooperação Internacional (SCI) e da Força-Tarefa Lava Jato no Rio de Janeiro. O procedimento contou com o apoio da Polícia e da Receita Federal brasileiras, além do Ministério Público suíço e da embaixada italiana. Os objetos ficarão à disposição da Justiça.

A existência e a localização dos diamantes e do ouro foram reveladas aos investigadores da Operação Lava Jato por colaboradores responsáveis pela ocultação de bens da organização criminosa, que firmaram acordo de colaboração premiada com o Ministério Público e, como consequência, entregaram mais de US$ 100 milhões que pertenciam a Sérgio Cabral, mas que estavam em posse dos dois para que fossem ocultados no exterior. Em março de 2017, o dinheiro devolvido foi utilizado pelo Executivo estadual para pagamento de 13º salário de aposentados e pensionistas.

Logo após a homologação do acordo, o MPF iniciou um processo de cooperação jurídica com as autoridades suíças, que mantiveram acautelados as pedras de diamante e as barras de ouro até a finalização dos trâmites que viabilizaram o transporte do material. Na última terça-feira (3), procuradores do MPF embarcaram para Genebra onde receberam o material e retornaram ao Brasil. Por uma questão de segurança, a operação foi mantida em sigilo e contou com escolta policial até a entrega do material, que a partir desta sexta-feira (6) encontra-se custodiado em instituição bancária, à disposição da Justiça Federal.

Brasil

Mais Artigos

Magnavita

Mais Artigos

Continua a pesquisa para descobrir quem no Palácio Guanabara tirou brevê de piloto kamikaze. A falta de bom senso de deixar WW ir ao depoimento na PF de helicóptero supera até Sérgio Cabral.

Rio de Janeiro

Mais Artigos

Economia

Mais Artigos

Cultura

Mais Artigos

Saúde

Mais Artigos

Correio Expresso

Mais Artigos