Após coronavírus, operações diminuem, mas tiroteios continuam no RJ

Por Júlia Barbon/ Folhapress

O avanço do coronavírus no Rio de Janeiro, o segundo estado com mais casos no país, mudou a dinâmica das ações policiais no estado. Não parece, porém, ter tido impacto até agora no alto número de tiroteios que aterrorizam os fluminenses.

É o que mostram dados não oficiais compilados por pesquisadores da Rede de Observatórios da Segurança, que no Rio está ligada à Universidade Cândido Mendes, e também pela plataforma colaborativa Fogo Cruzado. Essas informações não são divulgadas pelo governo.

As operações policiais no estado diminuíram conforme a preocupação com o vírus cresceu, dando lugar a ações voltadas ao combate à pandemia, segundo o levantamento da rede -que coleta os dados a partir da imprensa, grupos de mensagens e redes sociais de comunidades e polícias, sempre confirmando com mais de uma fonte.

Na primeira quinzena de março, foram contadas 58 operações (quando um grupo de policiais é destacado a um local para cumprir um objetivo) e 81 patrulhamentos (ações cotidianas de ronda ou "baseamento"). Na segunda quinzena, foram 15 operações e 41 patrulhamentos.

O que divide os dois períodos é o estado de emergência decretado pelo governador Wilson Witzel (PSC) no dia 16, que determinou o fechamento de grande parte dos estabelecimentos comerciais e serviços e restringiu a circulação de pessoas.

A partir daí, a polícia começou a exercer funções como o controle do embarque em trens e metrôs, limitação da entrada de ônibus interestaduais, averiguação de denúncias sobre venda de álcool em gel adulterado etc.

"Foi uma grande novidade. Vínhamos tendo um número muito grande de operações e mortes em 2018 com a intervenção federal, depois em 2019 e no início de 2020. Aquela coisa de a PM chegar com o caveirão, ser recebida a tiros, trocar tiros e sair foi extremamente reduzida após a pandemia", diz a socióloga Silvia Ramos, coordenadora da Rede de Observatórios da Segurança.

A diminuição no número de operações fez cair o número de mortos durante essas incursões: foram 15 vítimas em todo o mês de março deste ano, ante 36 no mesmo mês do ano passado. É provável que os índices criminais no estado também tenham se reduzido com a pandemia, mas eles ainda não foram divulgados pelo governo.

Entre as motivações declaradas para as ações policiais de março, chamou a atenção a redução acentuada da repressão ao tráfico de drogas. Ela representou 16% do total agora, enquanto em março de 2019 somava 30%.

O relatório, porém, traz uma ponderação. "Nos últimos dias (primeira semana de abril) foi registrado aumento na ocorrência de operações e confrontos em vários pontos do estado e da capital [...] em comunidades como Cidade de Deus, Vila Aliança, Maré e Morro dos Macacos". Essas ações não estão incluídas na análise.

Tiroteios não mudaram Mesmo com a redução das ações policiais, dados do aplicativo Fogo Cruzado indicam que o isolamento social por causa do coronavírus não teve impacto significativo nos tiroteios ou disparos de armas de fogo até agora, se considerada apenas a região metropolitana do Rio.

Nos 15 dias anteriores ao decreto de Witzel, foram 223 registros. Nos 16 dias posteriores, foram 236. Na zona sul da capital, onde o vírus começou a se espalhar primeiro, por exemplo, houve um tiroteio antes e nove depois. O início de abril também não deu trégua: 104 notificações no total em apenas seis dias.

Se comparado o mês inteiro de março com o mesmo período do ano passado, porém, houve uma redução significativa de 795 para 446 tiroteios.

Os registros são feitos pelos usuários da plataforma e coletados na imprensa ou em redes sociais, incluindo as das polícias. É importante lembrar que os períodos analisados são curtos e, portanto, sujeitos a variáveis.

Brasil

Mais Artigos

Rio de Janeiro

Mais Artigos

Economia

Mais Artigos

Internacional

Mais Artigos

Cultura

Mais Artigos

Saúde

Mais Artigos

Política

Mais Artigos

Magnavita

Mais Artigos

Corre nos grupos de WhatsApp dos deputados algumas figurinhas que ajudam a quebrar o azedume. Em uma, Witzel coloca a faixa de governador em Tristão e, em outra, engraxa os sapatos do sócio.

Mais Notícias

Mais Artigos

A Prefeitura do Rio fez um verdadeiro milagre ao comprar 306 respiradores e 500 monitores da China para ajudar os hospitais municipais no combate ao coronavírus

O Clube Militar repudia enfaticamente o despacho exarado ontem pelo Ministro Celso de Mello, do STF, no inquérito que apura denúncias do Ex-Ministro da Justiça e Segurança Pública contra o...