‘Democracia em vertigem’, uma ficção de parcialidade petista

por José Aparecido Miguel(*)

1) E o Oscar vai para... o PT. O documentário não encara de frente problemas fatais: a política econômica dos anos Dilma, que produziram a recessão da qual ainda não nos recuperamos, opina Joel Pinheiro da Fonseca. A década de 2010-2019 foi a de pior crescimento desde 1900. Esse desastre legou ao país 13 milhões de desempregados. A política econômica enchia os bolsos de grandes empresários, como os donos da construtora Andrade Gutierrez, família de Petra. O PT, que ascendeu ao poder já com escândalos de corrupção às costas, implementou sim programas sociais importantes, ao mesmo tempo em que beneficiou aliados políticos e empresariais escolhidos politicamente para sustentá-lo no poder”. (...) (Folha de S. Paulo)

2) Governo estuda corrigir defasagem do salário mínimo ainda este ano. Objetivo é compensar perda com inflação, escrevem Marcello Corrêa e Renata Vieira. O piso para este ano foi fixado em R$ 1.039, alta de 4,1% em relação ao do ano passado. O cálculo foi feito com base na projeção para o INPC, mas o indicador acabou fechando o ano em 4,48%. (...) (O Globo)

3) Salário mínimo deveria ser de R$ 4.342,57. O Dieese informa que o salário mínimo necessário para sustentar uma família de quatro pessoas em dezembro deveria ter sido de R$ 4.342,57, escreve Guilherme Odri. O cálculo é feito com base na cesta básica. Em dezembro, o valor mais caro apareceu no Rio de Janeiro (R$ 516,91). (...) (LinkedIn)

4) Em três anos, planos de saúde sobem o triplo da inflação e mensalidades escolares, o dobro, reporta Pedro Capetti. O IBGE informou que o IPCA de 2019 foi de 4,31%, ligeiramente acima dos 4,25% do centro da meta de inflação. Nos planos de saúde, a alta desde 2017 foi mais que o triplo da inflação: 36,61%. Na educação, os cursos regulares (creche, educação infantil, ensino fundamental e médio, faculdades e pós-gradução) tiveram reajuste médio de 20,22% nos últimos três anos. (...) (O Globo)

5) A China põe fim à pobreza em 2020? Com avanço impressionante nessa área, governo se apronta para celebrar, escreve Tatiana Prazeres, senior fellow na Universidade de Negócios Internacionais e Economia, em Pequim, foi secretária de comércio exterior e conselheira sênior do diretor-geral da OMC. Em 2020 a China declarará ter acabado com a pobreza no país, atingindo meta adotada em 2015. A China resgatou mais de 850 milhões de pessoas da pobreza desde o início das reformas econômicas em 1978, segundo o Banco Mundial. É mais do que toda a população da América Latina. (...) (Folha de S. Paulo)

6) Em ano eleitoral, centro procura voz contra polarização. O noticiário deste início de ano deixou de cabelo em pé quem ainda acredita no surgimento de um “centro democrático e ponderado” a tempo das eleições deste ano no país: a crise EUA versus Irã e a censura ao Porta dos Fundos agudizaram a polarização entre os apoiadores de Jair Bolsonaro e a esquerda, deixando as vozes de centro abafadas no meio do tiroteio radical. No PSDB, por exemplo, ganhou força o grupo que defende atitudes como a de Aloysio Nunes Ferreira. O ex-chanceler bateu pesado no Itamaraty na questão internacional. Entre outras críticas, Aloysio Nunes Ferreira disse que Jair Bolsonaro “é mais ideológico do que o PT”. (Coluna do Estadão -O Estado de S. Paulo). 

7) Witzel, Picciani e Vaccarezza delatados. A Operação Calvário, que mira suposto esquema de corrupção na Paraíba, abriu novas frentes de investigação na política do Rio de Janeiro e de São Paulo. Homologado pelo Superior Tribunal de Justiça, um acordo de delação cita caixa dois à campanha do governador Wilson Witzel (PSC), e propinas aos ex-deputados Cândido Vaccarezza (Avante) e Leonardo Picciani (MDB), que envolveram o lobista Jorge Luz, delator da Operação Lava Jato. O governador afirma que sua campanha não teve caixa dois e diz que condena tais práticas. Luiz Vassallo escreve que o acordo foi homologado pelo Superior Tribunal de Justiça. (...) (O Estado de S. Paulo).

8) MP investiga se estagiária da Defensoria Pública atuou em inquéritos a favor de milícia. Trama da suposta infiltrada começou a ser desvendada em abril do ano passado na Baixada Fluminense, escreve Rafael Nascimento de Souza. Uma trama, que começou a ser desvendada em abril do ano passado, mobiliza a Justiça. Milicianos teriam cooptado uma estagiária da Defensoria Pública para que ela influenciasse julgamentos do Tribunal do Júri da 4ª Vara Criminal de Nova Iguaçu, responsável por casos de homicídios. A jovem, que é investigada num inquérito sigiloso do Ministério Público estadual, pode ter atuado junto a jurados para tentar direcionar sentenças. Pelo menos 30 inquéritos estão sob suspeita. (...) (O Globo)

 

(*) José Aparecido Miguel, jornalista, diretor da Mais Comunicação-SP (https://www.maiscom.com), trabalhou em todos os grandes jornais brasileiro - e em todas as mídias. Foi editor-executivo do Jornal do Brasil, no Rio, de 2007 a 2009. (https://www. outraspaginas.com.br) E-mail - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.