Executivo da Davati diz que foi procurado por Roberto Dias

O representante da empresa Davati Medical Supply no Brasil, Cristiano Carvalho, disse na quita (15), em depoimento à CPI da Pandemia, que foi procurado pelo então diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Dias, para tratar da compra de vacinas. Carvalho foi citado durante depoimento do policial militar e vendedor autônomo da Davati Luiz Paulo Dominguetti.

Na ocasião, Dominguetti relatou atuar nas tratativas para a venda de 400 milhões de doses da vacina da AstraZeneca ao governo federal em nome da empresa Davati e que Dias teria pedido propina de US$ 1 por dose. Em depoimento, o ex-diretor negou ter pedido vantagens.

Carvalho disse que Dias começou a mandar mensagens para ele em 3 de março. Nas mensagens, Dias se apresentava como diretor de Logística do ministério e pedia uma conversa. Foram várias mensagens e duas ligações via aplicativo de mensagens.

“Não retornei a primeira mensagem. Eu estava absolutamente incrédulo que era um funcionário do Ministério da Saúde entrando em contato comigo. Ele se apresentou como diretor de Logística e eu fui checar, estava achando que era fake news”, disse.

Carvalho também contou que começou a ter contato com Dominguetti em fevereiro, quando o policial militar disse estar interessado na compra de vacinas. O representante da Davati também afirmou não saber como Dominguetti teve acesso a Dias para negociar vacinas.

Brasil

Mais Artigos

Magnavita

Mais Artigos

Rio de Janeiro

Mais Artigos

Economia

Mais Artigos

Cultura

Mais Artigos

Empresária e mestre em educação, Priscila Zanatelli lança primeiro livro, para incentivar as pessoas a tratarem dos sentimentos desde a fase infantil

Saúde

Mais Artigos

Correio Expresso

Mais Artigos