Pin It

Uma comitiva de Senadores visita esta semana à China. Os parlamentares terão agendas na área de tecnologia e devem visitar a Huawei, companhia que é alvo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e já foi questionada pelo governo brasileiro. O grupo terá reuniões com possíveis investidores na área petrolífera, como é o caso da CNPC que estuda investir no Rio.

A viagem, feita a convite da Embaixada da China e sem custos ao Senado, ainda prevê encontro com representantes do Partido Comunista Chinês.

Participam da missão os senadores O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), Chico Rodrigues (DEM-RR), Irajá Abreu (PSD- -TO), Rogério Carvalho (PT-SE) e Esperidião Amin (PP-SC). O grupo passará por Beijing, Xangai e Hangzhou.

Um dos maiores aliados do presidente Jair Bolsonaro, o governo Trump ameaçou, em maio, colocar a Huawei em uma lista negra de empresas proibidas de vender tecnologia nos EUA. A marca foi acusada de espionagem. O grupo nega.

Em junho, em entrevista à “Veja”, o ministro de Relações Exteriores afirmou que o governo brasileiro avalia restringir a atuação da companhia na instalação das redes de 5G no país. Na última semana, o Senado aprovou projeto de lei que modifica o marco das telecomunicações e pode destravar investimentos no setor. Pelo Twitter, Flávio Bolsonaro afirmou que a viagem tem o objetivo de estreitar relações comerciais com a China. “Meu intuito é também conhecer a petrolífera chinesa CNPC, que pode anunciar em breve um aporte bilionário no Comperj, o que colocará o Rio de Janeiro em ainda mais elevado patamar no segmento de óleo e gás. Espero voltar com boas notícias”, afirmou o senador.

De acordo com Amin, a ida à China não se trata de uma questão política, mas comercial. O foco dos trabalhos será a busca por diálogo e parcerias na área de tecnologia e na agropecuária. Para ele, não há constrangimento em dialogar com o Partido Comunista Chinês. “O que existe é comércio, é negócio, não é politica”, disse. Amin ressaltou que o vice-presidente Hamilton Mourão também foi à China neste ano e que Bolsonaro tem uma viagem programada ao país em outubro.