Tristão e Witzel

O mistério atrás do crescimento do ex-aluno e ex-sócio do governador, apesar de enfrentar inúmeros embates

Por Cláudio Magnavita*

O caso de Lucas Tristão no Governo do Estado do Rio tem intrigado diversas raposas da política carioca. Que trunfo este rapaz tem nas mãos capaz de fazê-lo imune a todas as denúncias e escândalos que pipocam ao seu lado?
Qual é o mistério que o faz resistir a um embate direto com todo o poder legislativo e ser mantido no cargo para aborrecimento dos deputados?
Qual a força que o prende à cadeira e faz com que o seu apetite colecione espaços neste governo, inclusive entrando nas pastas de outros colegas e estabelecendo um feudo em território alheio?

Que laços o fazem resistir a embates com o presidente do PSC, o pastor Everaldo Pereira, ou ainda com o chefe da Casa Civil, o ex-deputado André Moura, político acostumado a nadar com tubarões e piranhas?
Durante a campanha, reza a lenda, que diversas vezes testemunharam ele ao berros com o candidato, demonstrando uma intimidade que nenhuma outra pessoa próxima teria, com exceção é lógico , da hoje primeira dama, Helena.

Este jovem advogado, Tristão, que desenvolveu o dom de se envolver com seus professores, transformou um deles em sócio, em uma firma de advocacia especializada em direito tributário.

Nesta fase, pré-Witzel, esta atuação tinha uma característica curiosa: o sócio era o conselheiro do CARF, Carlos Augusto Renier. Quando venceu o mandato próprio Lucas Tristão do Carmo foi indicado duas vezes pelo seu conterrâneo, o também capixaba Antonio Oliveira Santos, presidente da Confederação Nacional do Comercio, para concorrer a uma cadeira no CARF. Por duas vezes ficou em segundo lugar na lista tríplice da CNC.

Já a bordo do projeto político do juiz-professor, Tristão largou tudo em Vitória, manteve o endereço da sua OAB em um escritório de terceiros, cujos sócios de forma até hostil negam qualquer vínculo com ele, e manteve-se como administrador (o que é proibido por lei por ocupar cargo público ). Sua ação foi usada para justificar, então, uma hipotética sociedade com Wilson Witzel e justificar a origem que o próprio candidato aportou na sua campanha (R$ 220 mil).

Ainda na campanha, o seu celular era salvo na agenda dos companheiros como “LUCAS do Witzel". Ele não escondeu seus laços com Mário Peixoto, quando o peixe, o senador Romário, levantou a lebre em um debate televisivo ao encarar o ex-juiz.

Lucas Tristão já advogava para as empresas de Peixoto, da mesma forma que o Witzel advogava para o pastor Everaldo.

Por diversas vezes, os problemas de caixa da campanha eram resolvidos após reunião do Tristão com o seu cliente e amigo.

Já no Governo, faz a primeira viagem ao exterior, uma missão na Alemanha , onde todo o grupo pode sentir que o governador e o secretário eram unha e carne.

Na montagem de governo, o seu apetite e sua força foram testados e teve de recuar. Perdeu a CEDAE para a gula do pastor Everaldo, até que a desastrada gestão de Hélio Cabral virou carvão... vegetal.

A brecha foi ocupado por Tristão, da mesma forma que depois fez com o Detran, outro condado com cofres cheios.

Acusado formalmente pelo presidente da ALERJ, Andre Siciliano, de ter montado um sistema de escutas dos parlamentares e com a temperatura máxima, ele se refugiou em Londres por 4 dias, tudo pago pelo Governo do Estado.

Fugiu da rinha com os deputados e em plena Covid-19 praticou a primeira audiência pública online, presidida pelo deputado Ferreirinha, posou de bom moço e reafirmou seu apreço pelo legislativo. Dos deputados, levou um cascudo antes, quando viu um neófito indicado, seu sub-secretário, ser rejeitado na tentativa de migrar para a agência que fiscaliza a Cedae.

No Palácio,conseguiu mudar a estrutura de comunicação do governador , exonerando toda a equipe que tinha laços com o pastor e hoje a comanda, mesmo estando a estrutura subordinada à Casa Civil.

Chegou a correr a notícia que ele procurou emprego em Vitória, no governo de Renato Casagrande.

O que temos hoje é um super Tristão, que no dicionário e na mitologia é o equivalente masculino de Sereia, ocupando um espaço cada vez maior em um Governo, agora liberado das amarras constitucionais, que está gastando o que não tem, em compras emergenciais que sempre passam sob o olhar do operoso secretário.

Apesar de ter sido rejeitado nas duas vezes que concorreu ao CARF pela análise curricular, o rapaz tem sido um prodígio e demonstra ter uma força misteriosa com o governador, capaz de protegê-lo de denuncias fundamentadas e de colocar a Alerj em pé de guerra contra o executivo. Qual o mistério e o segredo que misteriosamente são capazes de tantos milagres? Este é o grande mistério que intriga a todos que gravitam nos corredores palacianos. Só o tempo, ou uma grande rusga, revelará!

*Cláudio Magnavita é diretor de Redação do Correio da Manhã

Brasil

Mais Artigos

Rio de Janeiro

Mais Artigos

Economia

Mais Artigos

Internacional

Mais Artigos

Cultura

Mais Artigos

Saúde

Mais Artigos

Política

Mais Artigos

Magnavita

Mais Artigos

Corre nos grupos de WhatsApp dos deputados algumas figurinhas que ajudam a quebrar o azedume. Em uma, Witzel coloca a faixa de governador em Tristão e, em outra, engraxa os sapatos do sócio.

Mais Notícias

Mais Artigos

A Prefeitura do Rio fez um verdadeiro milagre ao comprar 306 respiradores e 500 monitores da China para ajudar os hospitais municipais no combate ao coronavírus

O Clube Militar repudia enfaticamente o despacho exarado ontem pelo Ministro Celso de Mello, do STF, no inquérito que apura denúncias do Ex-Ministro da Justiça e Segurança Pública contra o...