Entrevista: Sancler Mello - Novo superintendente da Barra, Recreio e Vargens

Num terreno bem espaçoso no Recreio, o ex-empresário Sancler Mello fundou o Núcleo Espírita Allan de Mello (NEAM), em homenagem ao seu filho. Humanista nato, Sancler sempre se preocupou com os outros e, agora, busca levar a sua espiritualidade para a política, semeando-a na Superintendência da Barra, Recreio e Vargens - onde já está fazendo a diferença.

Marcelo Perillier: Foi uma surpresa assumir a Superintendência da Barra?

Sancler Mello: A realidade, as surpresas não existem, a espiritualidade já tem nossos caminhos traçados, basta fazermos nossa parte e estarmos dentro do processo que a espiritualidade faz o movimento certo. Eu não acredito em acaso, mas na força do trabalho, a vontade de fazer melhor para o próximo, de ajudar, tem o seu propulsor maior, mas o grande movimento é feito pela espiritualidade.

MP: Assumir a superintendência não vai atrapalhar o seu trabalho no NEAM?

SM: De maneira nenhuma, há uma convergência, no serviço público, privado, ou em qualquer lugar, se não houver espiritualidade, energia positiva, tudo tende ao fracasso. Eu só estou trazendo para a Superintendência uma energia positiva, de amor, afeto... Na verdade, estamos humanizando a política, trazendo amor, carinho, de forma ética, que são os maiores pilares da espiritualidade.

MP: É isso que falta para a política?

SM: É um dos complementos. A política, talvez seja o instrumento criado pelo homem através de Deus, com a maior grandeza, porque é através da política que se consegue grandes atos. Muita gente fala mal da política, mas a política não é nada. Se você tem bons homens, terá boas políticas, se tiver maus homens, terá uma má política.

MP: Ser morador da região é uma vantagem...

‘Se não houver espiritualidade, energia positiva, tudo tende ao fracasso’

SM: Morar na região só ajuda, pois você conhece as demandas da região. Você não ouviu falar ou alguém disse. Você cai no buraco, você vê a árvore que está tombando, sofre a falta de luz... você está no dia a dia. E é você representar aquilo em que você acredita, então, acho muito mais fácil.

MP: As associações de moradores receberam-no bem? Quais as principais demandas da população?

SM: Eu acredito que vão receber bem. É que elas estão muito cabreiras. É que nem gato escaldado. Muitos prometeram, mas não fizeram e daqui a pouco vem um cara que é salvador da pátria? Eu preciso de tempo para mostrar o meu trabalho e depois eles vão avaliar. Mas eu tenho certeza, posso falar por mim, que eles vão ficar satisfeitos, porque vou me dedicar integralmente e eu estou preparado, tanto tecnicamente quanto espiritualmente. Acho que a maior preocupação dos moradores da Barra, Recreio e Vargens é com a desordem urbana. Porque essa desordem gera uma sensação de insegurança, e muita gente acha que nossa região é insegura. Mas se você analisar os dados estatísticos, verá que nossa região é uma das melhores na segurança, só que a sensação triplica ou quadriplica. Só que, na hora de impor a ordem e limpar, eu tenho certeza de que a segurança vai ter um decréscimo na sua expectativa muito grande, as pessoas vão acreditar mais na segurança.

MP: O senhor diria que as pessoas que frequentam o NEAM no dia a dia vão encarar positivamente este seu recomeço na vida política?

SM: Na realidade eles já aceitaram, pois isso tudo é uma missão. A grande missão é a unificação das religiões, porque o grande objetivo espiritual é a convergência para um ideal único que se chama amor, onde não haja mais segregação, como as pessoas dizem: “Poxa, mas o Marcello Crivella é evangélico. Você é espírita”. Mas o Crivella tem uma coisa no coração dele que se chama amor. O Crivella é um homem amoroso, é uma pessoa que gosta do ser humano. E eu sou um homem que tem amor no coração e adoro o ser humano. Então, nós estamos convergindo. Não existe divergência de títulos, religiosas... Religião é como roupa, cada um veste aquela de que gosta, mas o importante é a essência. A essência do Marcelo Crivella, nosso prefeito, é uma essência maravilhosa, divina e de amor. É igual à minha. 

MP: Você acredita que vai ficar até o fim do mandato do prefeito Marcelo Crivella?

SM: Olha, eu digo que o tempo a Deus pertence, e a política é dinâmica. O que eu quero dizer é o seguinte: não importa o tempo que eu ficar. Eu vivo o hoje, o presente. E hoje eu vou fazer o meu melhor. Agora, a cada dia que me deixarem ficar, em um momento que, por um motivo, eu precisar sair, eu tenho certeza que sentirão saudades de mim.

MP: Independentemente de sair ou não da superintendência, a verdade é que ela toma bastante tempo. Será que dá para conciliá-lo com o trabalho espiritual que o senhor coordena no NEAM?

SM: Sempre! A espiritualidade é eterna. A nossa luta não é pela matéria. É pelo espírito. A nossa luta não é pela evolução da matéria ou pela ganância ou poder. A nossa luta é pela humanização da sociedade. É tornar a sociedade mais humana e justa para todos, e não para alguns.

MP: Como você vê a volta do “Correio da Manhã”?

SM: Eu vejo de forma maravilhosa, pois eu participei do “Correio da Manhã”. Na realidade, quando era líder estudantil, o “Correio” era o jornal que me ajudava muito na época da ditadura, e eu sofria com essa questão da ditadura porque eu era um estudante rebelde, da Uerj... Era estudante de engenharia civil. Aí, quando você vê a volta do “Correio da Manhã”, você fala assim: “Meu Deus! É o nosso passado revivendo”. É um jornal que as famílias vão poder ler porque é um jornal sério, com assuntos de atualidades e que não é personalista

Brasil

Mais Artigos

Magnavita

Mais Artigos

Continua a pesquisa para descobrir quem no Palácio Guanabara tirou brevê de piloto kamikaze. A falta de bom senso de deixar WW ir ao depoimento na PF de helicóptero supera até Sérgio Cabral.

Rio de Janeiro

Mais Artigos

Economia

Mais Artigos

Cultura

Mais Artigos

Saúde

Mais Artigos

Correio Expresso

Mais Artigos