Coluna Magnavita: Lavouras deposita R$ 15 milhões e arma a bomba-relógio da delação


Para quem pensava que os desdobramentos da delação de José Carlos Lavouras, da Fetranspor, estavam em banho-maria, é só conferir o depósito da primeira parcela dos valores do milionário acordo fechado com o MPF.

No último dia 15 de abril, foi realizado um TED da JAL Empreendimentos e Participações – da conta corrente 01579-3, da agência 6621 do Banco Itaú – destinado à conta do Ministério Público Federal na Caixa Econômica. O valor demonstra a dimensão deste caso: R$ 15.000.000,00.

Na petição, os advogados de Lavouras requerem ao STJ “a juntada do comprovante de pagamento da primeira parcela do acordo homologado por V.Sa., requerendo que seja cientificado o Ministério Público Federal, para cumprimentos de todos os termos e benefícios pactuados, decorrentes deste primeiro pagamento, previstos na Cláusula 8a, V, parágrafo terceiro, do Acordo de Colaboração Premiada”.

Depois do depósito judicial, para insônia de muitos, começam a valer os desdobramentos do processo.

Coluna Magnavita: José Carlos Lavouras