“Simples tecnologia, a telemedicina é a solução para dificuldades da saúde pública e da saúde suplementar”

Durante a semana, entre cirurgias, consultas e videoconferências, o neurocirurgião Antonio De Salles conversou sobre as novas tecnologias para o tratamento de doenças neurodegenerativas, as consequências do covid-19 no cérebro humano e perspectivas da Saúde Pública diante da pandemia. Segundo ele, a medicina foi surpreendida pela doença e inicialmente errou ao definir que, em razão da capacidade de contaminação do vírus, os pacientes só deveriam ser encaminhados aos hospitais quando sentissem falta de ar. Para o médico, a pandemia trouxe importantes ensinamentos para a medicina.

Ele defende uma mudança fundamental na forma de acesso da população à saúde através da telemedicina.
— A telemedicina é a solução para a saúde pública e para a saúde suplementar. Ela permite que pacientes sejam orientados por médicos de forma adequada, evitando o agravamento de seu estado de saúde, enquanto aguardam nas filas até receberem o primeiro atendimento.

Alguns dos problemas tratados por tecnologias de ponta atingem a milhões de pessoas, como é o caso da depressão. No Brasil ela afeta mais de 12 milhões de habitantes. Por que estas técnicas tão inovadoras não estão disponíveis no SUS?

Antonio de Salles - O SUS realiza o implante de marca-passo cerebral, mas compra anualmente um número muito limitado de aparelhos. A filas de espera pelo tratamento são imensas. Existe um gargalo muito grande. Um marca-passo custa, em média, R$ 100 mil. Somando os gastos com o tratamento cirúrgico, o custo sai entre R$ 200 mil a R$ 250 mil. O tratamento por Gamma-knife sai bem mais em conta, custa cerca de R$ 60 mil, porém tem limitações que os marca-passos podem sanar. Para o sistema de saúde, o investimento inicial é alto, porque são equipamentos muito caros e dependentes de alta capacitação profissional. Mas,a longo prazo, nos casos de tumores cerebrais, a economia seria imensa. A alta tecnologia, embora cara, sempre diminui os custos sociais, salva vidas e mantêm as pessoas produtivas em seus empregos. Mas uma simples tecnologia, o telefone celular, pode também salvar vidas e ajudar o nosso sistema de saúde através da telemedicina. A pandemia nos mostrou isto.

Como a pandemia impactou o seu trabalho?

Antonio de Salles - Parou tudo, até as emergências diminuíram com o “fica em casa”. Neste momento, passei a estudar mais o comportamento do vírus para entender o que ele pode fazer no cérebro e, como de maneira mais científica, poderia ajudar meus pacientes neste período. Por isto disseminei vários blogs sobre o comportamento da doença em geral e no cérebro.

O que covid-19 pode provocar ao cérebro humano?

Antonio de Salles - Para entrar no sistema nervoso central, o covid-19 tem dois caminhos. Um deles é pelas vias respiratórias. O vírus entra através do nosso senso olfatório. Então, um dos caminhos para o covid-19 chegar ao sistema nervoso central é através desses pequenos nervos que temos na mucosa nasal. O vírus entra no sistema olfatório e segue pelo cérebro através das células nervosas. Por isto, a perda de olfato e do paladar são sintomas comuns da doença. O outro caminho, é através da inflamação provocada pela reação do nosso sistema imunológico ao ataque pelo vírus.

Como isto acontece?

Antonio de Salles - Quando o covid-19 invade o pulmão, ele aciona um sistema imunológico nosso que irá lutar contra ele, provocando a coagulação sanguínea e provocando uma inflamação vascular muito grande. Esta inflamação se distribui através do corpo inteiro. Quando o covid-19 está generalizado com esta inflamação vascular, nós temos insuficiência renal, insuficiência hepática, insuficiência pulmonar e também a insuficiência vascular cerebral. Esta provoca os AVCs, obstruções de vasos sanguíneos que levam a diferentes sintomas, dependendo da localização do vaso obstruído. Quando esta obstrução ocorre nos vasos que vão para nossa atividade motora cerebral, acarreta perda do controle da mão, do pé, a isquemia cerebral naquela região. A chamada tempestade de citoquinas nada mais é do que nosso sistema imunológico criando uma reação inflamatória. Esta inflamação é uma luta contra o agente agressor, esta reação é uma tempestade em todo nosso corpo. Quando ela afeta de forma difusa o cérebro, então temos confusão mental, perda da consciência e coma. Mas, quando ataca de maneira focal, nós temos os acidentes vasculares cerebrais (AVCs). Estes podem provocar paralisações e perda da visão.

Foram detectados casos que comprovam este comprometimento?

Antonio de Salles - O caso mais emblemático foi o de uma aeromoça de Chicago em que fizeram uma ressonância magnética de crânio. Ela estava com confusão mental, quase demente. O exame demostrou que o vírus havia causado reação inflamatória em pequenos vasos cerebrais. Foi quando entendemos melhor o comportamento do vírus no sistema nervoso central.

O que mudou no protocolo de atendimento da doença a partir destes estudos?

Antonio de Salles - O problema inicial foi porque, como é uma doença de transmissão muito rápida, a primeira orientação era para que os pacientes com sintomas ficassem em casa. Dizíamos: “não vá ao Hospital, não procure tratamento até que tenha dificuldade de respirar”. Significava orientar o paciente esperar até necessitar de ir direto para a UTI, já em um estágio muito avançado da doença, próximo à morte. Hoje, a orientação é que se faça o tratamento logo nos primeiros sintomas. O tratamento precoce reduziu muito a letalidade da doença. Aquela severidade da doença em que a mortalidade era alta e alarmou a população já diminuiu bastante. Sabemos que é um vírus que responde a algumas medicações antivirais que podemos dar no início da infecção. Várias vêm sendo testadas, como a famosa hidroxicloroquina, que deve ser prescrita bem no início da infecção, porque mata o vírus; a azitromicina, antibiótico comum para tratamento de infecções das vias respiratórias previne infecções oportunistas que podem agravar a gripe.

Mas a própria OMS descartou as pesquisas com Cloroquina ...

Antonio de Salles - É por causa do “timing”.Quando aplicada precocemente, a hidroxicloroquina terá resultados, mas quando o covid-19 evoluiu tomando conta do corpo todo, a hidroxicloroquina e a azitromicina, não resolvem por ser tarde demais. Existem estudos observacionais que confirmam a efetividade do tratamento precoce. Embora não sejam estudos randomizado (testados de forma aleatória em pacientes), a medicina que praticamos é muito mais calcada em estudos observacionais do que em estudos randomizados. Estudos randomizados servem muito a interesses econômicos.

Muitos defendem que estas indefinições sobre isolamento social, medicamentos e até mesmo uso de máscaras têm relação com disputas político-eleitorais.

Antonio de Salles - Historicamente disputas políticas acontecem durante pandemias porque estamos falando em políticas de saúde pública, que podem gerar votos. Foi assim na gripe espanhola. Aquela pandemia iniciou nos Estados Unidos, em Kansas, com uma gripe suína. Os políticos da época esconderam o problema, como ocorreu na China com o covid-19. A gripe infectou os soldados que foram para a primeira guerra, e eles infectaram a população na Europa. A febre se tornou espanhola porque só os espanhóis, que daquela guerra não participaram, fizeram as contas de quantos foram infectados, quantos morreram e publicaram seus estudos. Por isto a pandemia recebeu o nome de Febre Espanhola, mas era na verdade americana.

O que muda a partir da pandemia?

Antonio de Salles - Em razão do distanciamento social, o Governo autorizou que médicos pudessem receitar medicamentos e exames de forma digital, remota. Isto é muito importante para a implantação da telemedicina. Muitos médicos estão tratando seus pacientes assim. Quando trabalhei na Suécia, e os esquimós tinham uma realidade parecida com a dos nossos índios da Amazônia, pessoas que até então não tinham nenhum contato médico e viviam em regiões distantes. Nós fazíamos consultas por telefone para saber quais os sintomas tinham. Dependendo do caso, os pacientes eram trazidos de avião. O Brasil precisa de um sistema assim para melhorar nossa saúde pública, cuidar precocemente do nosso povo.

O senhor acredita que ainda haja tempo para implementar este sistema na pandemia?

Antonio de Salles - Acho que sim, precisa ser montado e que deve ser montado e ser organizado para a eternidade, não só para cuidar desta pandemia. O governo pode implementar postos de saúde em lugares remotos, com profissionais de saúde capacitados, que possam colocar o paciente em uma ligação de vídeo com o médico. Este daria um primeiro atendimento adequado. Isto sairia mais barato e reduziria as filas do SUS porque agilizaria, no caso de necessidade, o atendimento do paciente nos hospitais da rede pública. Se tivessem utilizado a telemedicina em lugar de hospitais de campanha, por exemplo, os governos teriam feito um melhor investimento para o tratamento da covid-19, porque tratariam os pacientes de forma precoce, reduzindo a ocorrência de pacientes com quadro grave da doença. Um investimento perene para o futuro, evitando a necessidade dos famosos e caros respiradores.

Saúde

Por: EuroCom